Assine a newsletter
e receba nossos
conteúdos.

Assine a newsletter

Padrão TISS: você sabe o que é?

Tempo de leitura: 4 minutos

Estar dentro da lei e das normas específicas da profissão é essencial para o bom funcionamento de todos os estabelecimentos do ramo da saúde. São elas que garantem o andamento saudável da clínica médica, um atendimento de qualidade e facilitam para que todos os documentos estejam em dia.

Uma dessas regras é Padrão TISS, que surgiu para ajudar na padronização e gestão das atividades burocráticas relacionadas a saúde suplementar. 

Neste artigo, você vai saber o que é Padrão TISS, como ele funciona e quais são seus benefícios. Acompanhe!

O que é o Padrão TISS

Assim como todos os mercados, a área da saúde também necessita de conjuntos com medidas e ações do Governo. Elas contemplam a elaboração de normas, controle e fiscalização de segmentos na área exploradas por empresas para garantir o interesse público. 

Falando especificamente sobre saúde suplementar, temos a ANS, Agência Nacional de Saúde Suplementar. Ela é o órgão regulamentador vinculada ao Ministério da Saúde e responsável pelo setor de planos de saúde no país.

Desde 2005, a ANS estabeleceu um padrão para transmissão de informações sobre saúde suplementar, que envolve os dados sobre o atendimento prestado aos beneficiários, operadoras de planos de saúde e prestadores, bem como o envio destes à ANS. Ele é o denominado Padrão TISS, sigla para Troca de Informação de Saúde Suplementar. 

O padrão TISS foi criado para ajudar a gestão e padronizar as atividades burocráticas, subsidiar as ações de avaliação e acompanhamento financeiro, econômico e assistencial das operadoras, pois antes disso, cada operadora possuía o seu modelo. 

Em 2012, a norma se tornou obrigatória graças à resolução RN 305. Agora, todas as operadoras de saúde precisam enviar para a ANS os dados gerados pela troca.

Além de guiar a maneira como o conteúdo é transmitido e explicado, o TISS engloba todos os formulários essenciais para o envio de informação a ANS.

Sendo assim, todas as clínicas, consultórios, laboratórios e hospitais precisam organizar a prestação de serviços de uma forma parecida com o exemplo:

  • Diárias: tipo de acomodação que foi utilizada pelo paciente
  • Equipamentos: itens usados pela equipe médica para realizar os cuidados com o paciente
  • Materiais e medicamentos: quantidade que foi aplicada de acordo com a prescrição médica
  • Gases: todos os tipos utilizados na empresa. Uma bom parâmetro é medir o uso por tempo de utilização
  • Taxas: locação dos ambientes onde são feitos os procedimentos dentro da empresa
  • Exames: todos os que foram realizados durante a internação, consulta ou procedimento
  • Honorários médicos: de acordo com o código de procedimento realizado
  • Materiais e medicamentos de alto custo: verificar a quantidade desses materiais que foi utilizada de acordo com a prescrição médica
  • Procedimentos: consultas, exames, cirurgias, etc. 

O Padrão Tiss trouxe às clínicas médicas benefícios como:

  • Facilidade na comunicação entre prestadores, operadoras e ANS;
  • Redução de erros e fraudes cometidos, visto que todo o processo é eletrônico; 
  • Diminuição de glosas médicas, impactando diretamente na gestão da clínica 
  • Maior agilidade e qualidade na assistência à saúde
  • Eliminar a utilização de papel. 

Cuidados no preenchimento da Guia do Padrão TISS

A Guia do Padrão Tiss é dividida em quatro grupos: 

  • Diárias e taxas
  • Procedimentos médicos
  • Materiais e medicamentos 
  • Órteses, próteses e equipamentos especiais

Todas as vezes que um paciente realizar qualquer procedimento na sua clínica, é necessário preencher a guia TISS. Cada grupo possui seus próprios códigos e termos, que devem ser levados em consideração. 

Caso hajam erros no preenchimento da Guia TISS, a área financeira da clínica pode ser prejudicada, pois as guias são glosadas, ou seja, ao perceberem falhas na auditoria, os planos de saúde podem querer negar alguns pagamentos. 

Recapitulando

De uma forma mais simples, o Padrão TISS é a forma de troca de informação que o prestador precisa seguir para realizar o faturamento dos seus serviços para a operadora de saúde. 

Por sua vez, a operadora irá informar a reguladora ANS. 

Mesmo com nosso texto esclarecendo grande parte das suas dúvidas, você ainda achou um pouco complicado de entender? Então, vamos dar uma boa dica de como a tecnologia pode te ajudar com essa etapa do atendimento clínico. 

Com o software médico Amplimed, é possível cumprir todas as exigências e reduzir o número de glosas médicas. Tudo isso graças ao recurso do Faturamento TISS incluso no sistema!

Essa nova funcionalidade é perfeita para clínicas que possuem um elevado número de atendimentos realizados via convênios, pois além de evitar as glosas médicas ocasionadas por erros no preenchimento das guias, automatiza o processo de emissão e conferência. 

Quer essa praticidade para a sua clínica? Faça um teste grátis!

Iniciar teste gratuito

 

Sobre autor: 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.