A remuneração médica no Brasil é justa?

remuneração médica
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Desde antes de entrar na faculdade, escolher a medicina não é algo fácil. Depois de formados, os médicos têm que prezar pela qualidade de vida e saúde da população, o que é uma tarefa difícil e que demanda bastante responsabilidade.  Para os profissionais, a pergunta que fica é: a remuneração médica é justa? É isso que a pesquisa da Medscape, site especializado em medicina, quer responder.  Ficou curioso? Acompanhe esse texto e entenda o estudo!

A pesquisa

Essa é a segunda edição da pesquisa sobre Remuneração Médica da Medscape. A outra foi realizada em 2017.  O estudo foi realizado entre 28 de fevereiro de 2019 e 10 de abril de 2019. Sua margem de erro é de 2,45%, com nível de confiança a 95%.  Os médicos que responderam a pesquisa são todos membros da Medscape. Isso significa que a pesquisa não abrange toda a população médica do país. 

O perfil 

Esse ano, foram entrevistados 1599 profissionais, sendo 64% homens e 36% mulheres. Entre as especialidades estão, em sua maioria, cardiologistas, ginecologistas e obstetras (7% cada), pediatras, psiquiatras, anestesiologistas (6% cada) e ortopedistas, traumatologistas e intensivistas (4% cada). Os médicos que responderam a pesquisa tem majoritariamente de 28 a 34 anos (27%). 20% dos médicos têm de 35 a 39 e 14% de 40 a 44.  O ambiente de trabalho da maioria dos médicos entrevistados é o hospital (41%), seguido de consultório particular (15%), unidades de saúde (13%), clínica compartilhada com colegas da mesma especialidade (8%) e clínica com múltiplas especialidades (7%). Dos entrevistados, 46% são funcionários, 29% são autônomos, 12% proprietários de consultório particular, 9% sócios e 4% proprietários de clínica.  79% dos respondentes se declara branco, enquanto 17% são pardos, 5% amarelos, 3% negros, 2% nativos e 3% não responderam ou não se sentiram inclusos em nenhum das alternativas. A maior parte dos médicos que responderam a pesquisa se concentra na região sudeste (53%). A região sul teve 24% dos respondentes, nordeste 13%, centro oeste 7% e norte 3%.

Especialistas x generalistas

Os especialistas têm uma remuneração médica maior do que os generalistas. A diferença é de R$55.000 a mais anualmente, um acréscimo de R$38.000 comparado com a distância de valores de 2017. 

Gênero 

As mulheres ganham menos que os homens, sendo elas médicas especialistas ou generalistas. A diferença de valores é de 30%. Na categoria generalistas, as mulheres ganham R$41.000 a menos anualmente. Já as especialistas sofrem um déficit de R$61.000. Elas passam 39 horas semanais atendendo pacientes, enquanto eles, 37.

Gastos e estilo de vida

61% dos médicos afirmaram que conseguem viver de acordo com seus recursos. Isso quer dizer que eles não gastam mais do que ganham, mas também não gastam menos.  29% disseram viver abaixo dos recursos, o que significa que eles não gastam tudo que ganham. Enquanto isso, 9% diz que vive acima dos recursos e acaba gastando mais do que a renda mensal. Apenas 1% não quis responder a questão.  A principal despesa dos médicos é o gasto com os filhos (42%). Abaixo disso está escola particular para os filhos (33%), despesas médicas (32%) e financiamento da casa (27%).

Tempo e rotina

Diariamente, médicos gastam bastante tempo preenchendo papeladas e cuidando de processos administrativos.  Falando em horas semanais, 24% deles afirmaram passar de 10 a 14 horas com a parte burocrática da profissão.  Somando todos os profissionais que afirmaram gastar mais de 15 horas semanais com papeladas e gestão, temos quase metade dos médicos entrevistados para pesquisa. Podemos ver que, infelizmente, grande parte do tempo que poderia ser usado para atender os pacientes está sendo empregado em tarefas administrativas. 

A remuneração médica

Os profissionais não estão satisfeitos com a remuneração médica. 61% deles acredita que ela não é justa. Os que disseram estar satisfeitos são 40% especialistas e 35% generalistas.

Satisfação e desempenho 

80% dos entrevistados garantem que estão felizes com seu desempenho na profissão, sendo que 61% estão satisfeitos e 19% muito satisfeitos.  A maioria dos profissionais que responderam de forma afirmativa são médicos especialistas na faixa etária dos 45 anos.  Os que responderam de forma negativa somam 20%, dos quais 13% não estão nem satisfeitos e nem insatisfeitos, 6% estão insatisfeitos e 1% muito insatisfeitos. 

Pontos negativos 

Toda profissão tem seu lado negativo e a medicina não é exceção. 36% dos médicos acredita que trabalhar demais seja a pior parte.  21% considera os problemas com as seguradoras e planos de saúde e 17% lidar com pacientes difíceis. Esse último ponto foi o mais respondido entre os médicos generalistas ou de idade mais avançada. 

Pontos positivos 

Ser bom no que faz, encontrar respostas fazendo diagnósticos teve 25% das respostas. A gratidão e a relação com os pacientes somaram 21%, mas foi a opção mais assinalada entre as mulheres, médicos mais jovens ou pelos que trabalham em consultório.  Em 2017, a gratidão era motivo de satisfação de 39% dos médicos. Hoje, o segundo fator que mais traz alegria na profissão é ganhar bem fazendo o que gosta, com 23%. Há dois anos atrás, isso representava apenas 7% das respostas. 

A carreira

Já se perguntou se escolheria a mesma profissão novamente? Foi exatamente isso que os entrevistados precisaram responder.  Mesmo que a grande maioria não esteja satisfeita com a remuneração médica, 69% afirmaram que fariam a mesma escolha, inclusive na mesma especialidade.  E você, concorda com o resultado do estudo? As informações da pesquisa representam sua situação atual ou tem algo de diferente passando com você? Deixe nos comentários a sua opinião e compartilhe esse texto com seus amigos! Quem sabe, com debate e bons argumentos a realidade não pode mudar? Você pode conferir a pesquisa completa clicando aqui.  Um fator importante e que pode te ajudar a aumentar o faturamento da sua clínica ou consultório é uma boa gestão.  O sistema Amplimed pode deixar a parte burocrática e administrativa do seu negócio muito mais simples e automatizada. É possível ver seu faturamento mensal de forma prática e intuitiva. Além disso, o software tem outras ferramentas perfeitas para facilitar o seu dia a dia e te ajudar a cuidar do mais importante: a saúde dos seus pacientes.  Para saber um pouco mais sobre o nosso produto, acesse nosso site!
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Olá amigo(a), conheça o software Amplimed, feito por médicos, com a intenção de contribuir com o ecossistema da saúde de forma digital.
Doutor marcos andré
Marcos. A. Sonagli
Ortopedista