4 Causas de Fechamento de Clínicas e Consultórios

Tempo de leitura: 14 minutos

A inauguração da sua clínica médica pode ser o resultado de um projeto de toda a vida. Desde a época do vestibular, você sonhou com o dia que teria seu próprio negócio, atendendo seu paciente – sem a pressão dos hospitais e com toda paixão pela Medicina. Quando você, enfim, coloca esse sonho em prática, percebe que a jornada como médico e empreendedor reserva desafios peculiares.

Não basta você ser tecnicamente impecável na área da medicina. É necessário que você desenvolva um olhar clínico sobre as diversas facetas de um negócio. Empreender é um desafio e, no Brasil, pode ser ainda mais difícil. Afinal, 2018 foi o terceiro ano consecutivo em que o país registrou mais fechamentos do que aberturas de empresas segundo relatório do IBGE.

Você não quer cometer erros que façam o projeto da sua vida morrer precocemente, certo? Por isso, é necessário que sua clínica apresente diferenciais e esteja preparada para os desafios do mercado. Neste artigo, você conhecerá as 4 principais causas de fechamento de clínicas e consultórios:

  1. Falhas na gestão financeira
  2. Falta de planejamento estratégico
  3. Judicialização da prática médica
  4. Exclusividade do marketing de indicações

1. Falhas na gestão médica financeira

Gestão médica financeira

A saúde do seu negócio depende da gestão financeira. Por isso, é essencial que sua clínica possua uma boa administração tanto no nível de fluxo de caixa, quanto nos relatórios patrimoniais. Falhas nos lançamentos financeiros podem enganar os gestores, demonstrando uma situação falsa da saúde da empresa. Esquecer lançamentos, perder o controle do fluxo financeiro ou deixar de registrar atendimentos são armadilhas que você deve evitar.

Nenhum negócio sobrevive sem saúde financeira. Assim, é essencial que você mantenha uma administração eficiente de todas as entradas e saídas (custos, despesas e receitas) da sua clínica. Todos os gastos devem ser registrados. Afinal, os relatórios devem estar o mais próximo possível da realidade matemática do seu caixa. Por isso, não negligencie os pequenos gastos. Some todas as despesas. Assim, ficará mais fácil tomar decisões em tempos de crises.

As crises financeiras internas da empresa são os principais motivos para seu fechamento. Aliás, esse é um conceito intuitivo. Se um negócio não está gerando caixa ou se o caixa está com buracos, qualquer ameaça externa pode arrasar a empresa. Além disso, um caixa frágil não é capaz de aproveitar oportunidades que surgem no mercado. Logo, você não sairá do lugar e “negócio que não está crescendo está morrendo”.

Lançamentos errados no fluxo de caixa

As falhas de gestão médica financeira, na maioria das vezes, estão relacionadas com equívocos de lançamentos no fluxo de caixa. Toda entrada ou saída de capital deve ser lançada com atenção. Afinal, uma vírgula colocada no lugar errado altera todo demonstrativo no final do mês e, depois de passar certo tempo, como você vai encontrar o erro?

Além dos erros de digitação, os lançamentos financeiros manuais também podem ser duplicados ou esquecidos. Suas finanças exigem precisão. Portanto, deixar de lançar ou duplicar receitas ou despesas são falhas que comprometem a saúde do seu caixa. Assim, você não poderá confiar em seus relatórios e não existe gestão sem bons relatórios. Leia mais sobre a rotina do médico empreendedor em nosso artigo: “Desafios do Médico Empreendedor – rotinas na gestão de clínicas”.

Pró-labore indefinido

De forma simplificada, o pró-labore é o salário do sócio de um empreendimento. No caso da sua clínica, é o quanto você recebe por prestar os serviços de médico e gestor. Portanto, precisa ser especificado previamente. Faz parte do planejamento financeiro do seu negócio, assim como o salário dos colaboradores. Então, defina um valor que dê o retorno justo ao tempo que você dedica para a empresa.

Considere, para isso, se você tem outras fontes de renda ou se depende apenas dos rendimentos da clínica. No primeiro caso, em que você possui outras fontes de renda, é interessante estabelecer retiradas mínimas para o primeiro ano da sua clínica. Assim, você não exige tanto da geração de receitas da empresa.

Se você dedica integralmente seu tempo à clínica, então, estabeleça retiradas financeiras que garantam seu sustento. Ainda assim, é importante você ter uma reserva financeira antes de inaugurar seu negócio. Dessa forma, você não fica dependente do caixa e dá o tempo necessário para que sua clínica se desenvolva financeiramente.

Dica: organize as finanças, Doutor!

A organização das finanças de uma empresa possui três grandes fases:

  • Planejamento
  • Execução
  • Avaliação

Por isso, você precisa fazer um planejamento financeiro criterioso, especificando fontes de receita e direcionamento de despesas. Além disso, deve ficar atento à execução deste planejamento para evitar erros de lançamentos. Já na avaliação, é importante que você tenha à disposição bons relatórios. São eles que ajudarão na tomada de decisão para os ajustes ou investimentos necessários. Para entender como planejar, executar e avaliar a gestão médica financeira da sua clínica, leia nosso artigo: “Relatórios que elevam o nível de gestão da sua clínica” (clique aqui).

2. Falta de planejamento estratégico

Planejamento estratégico médico

“Se você não sabe aonde quer chegar, qualquer caminho serve”. Essa frase famosa de Lewis Carroll, em Alice no País das Maravilhas, é sempre ilustrativa para a importância do planejamento. Quando você planeja as estratégias da sua empresa, ela seguirá rumo aos objetivos, às finalidades traçadas. Sem planejamento, sua clínica ficará perdida entre atendimentos de pacientes e pagamentos de fornecedores.

O planejamento é a base de qualquer negócio. Baixe nosso “Guia Prático: Como abrir uma clínica com os olhos na transformação”, clicando aqui. A falta de planejamento é uma das causas de fechamento de clínicas médicas e consultórios. Afinal, nenhum negócio sobrevive à ausência de diretrizes.

Cuidado com a bitributação

O planejamento tributário é importante para manutenção de uma empresa. A falta de atenção para esses aspectos legais da sua clínica pode trazer multas ou excesso de cobrança de impostos. O ideal, em relação à tributação, é você pagar exatamente o que consta na legislação. Assim, você evita desperdícios de recursos financeiros e incômodos como declarações adicionais, audiências na Receita Federal e, até mesmo, bloqueio do CNPJ.

Se a sua clínica conta com vários médicos autônomos, é preciso ter um cuidado especial com a bitributação. Ela consiste no pagamento duplicado de tributos sobre uma mesma prestação de serviços. Isso pode acontecer, por exemplo, se uma consulta médica paga a um médico autônomo for tributada tanto por parte da empresa quanto pelo profissional. Um descuido nesse sentido pode:

  • Comprometer o caixa da empresa pelo excesso de tributos;
  • Provocar processos judiciais, resultando na obrigação de ressarcir o profissional pela tributação indevida.

Dica: trace a rota para o sucesso!

Exatamente: o planejamento estratégico é a sua rota para o sucesso. O seu planejamento precisa descrever alguns dos pontos principais do negócios. São eles:

  • Proposta de valor: o que sua empresa vai oferecer para o mercado que realmente terá valor para os clientes.
  • Segmento de clientes: quais segmentos de clientes serão foco da sua empresa
  • Canais de comunicação: como o cliente agenda uma consulta na sua clínica
  • Estratégias de relacionamento com pacientes e familiares: como sua clínica garante a fidelidade da clientela?
  • Atividades-chave: além da consulta médica, quais atividades são importantes para entregar a proposta de valor?
  • Recursos: qual o melhor sistema de gestão para clínica? Quantos colaboradores são necessários por setor? Quais produtos farmacêuticos você precisa adquirir?
  • Parcerias principais: quais empresas são parceiros ideais para garantir o funcionamento da sua clínica?
  • Fontes de receita: de onde virá o dinheiro para o caixa da clínica?
  • Estrutura de custos: quais são as saídas financeiras essenciais para que a clínica possa funcionar?

3. Judicialização da prática médica

Judicialização da prática médica

A judicialização da relação médico paciente é uma das causas de fechamento de clínicas e consultório. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) indicou um aumento de 1600% no número de processos judiciais contra médicos no país entre 2005 e 2015. No ano de 2017, o Brasil atingiu 26 mil processos contra médicos por supostos erros de conduta durante os atendimentos. É evidente que a abertura de um processo disciplinar ou judicial não determina se o médico adotou uma conduta errada. No entanto, frente aos futuros pacientes e à sociedade, a imagem do profissional e da clínica podem ficar manchada.

Por isso, os processos judiciais podem acabar com a sua clínica de duas formas:

  1. Pela marca negativa na imagem do seu negócio
  2. Pelas possíveis multas ou indenizações que podem atingir seu caixa.

O CREMESP apontou apontou que os principais motivos de processos contra médicos são acusações como:

  • Negligência, imperícia ou imprudência
  • Problemas na relação médico-paciente
  • Exercício ilegal da profissão

Negligência, imperícia ou imprudência

No artigo 1º, Capítulo III, do Código de Ética Médica, é vedado ao médico:

Causar dano ao paciente, por ação ou omissão, caracterizável como imperícia, imprudência ou negligência.

Uma postura negligente contradiz os princípios da atuação profissional de salvaguardar a vida humana. Negligência consiste em deixar de tomar as atitudes necessárias para a melhora do paciente. Já a imperícia marca o ato do médico que não possui conhecimento técnico, teórico ou prático específicos para determinado atendimento.Finalmente, a imprudência consiste na ausência de cautela, de preocupação com as consequências.

Para resumir os conceitos:

  • Imperícia consiste em fazer mal o que deveria ser bem feito.
  • Imprudência consiste em fazer o que não deveria ser feito.
  • Negligência consiste em não fazer o que deveria ser feito.

Relação médico-paciente

Para compreender a importância jurídica de uma relação médico-paciente adequada, é preciso entender que se trata de uma relação de consumo, amparada pelo Código de Defesa do Consumidor. Essa relação de consumo traz para o ambiente de atendimento a presunção de culpa por parte do prestador de serviços.

Nesse sentido, o art. 14 do CDC estabelece que o prestador deve arcar com os prejuízos independente da existência de culpa. Assim, quem deve provar a inocência é o estabelecimento de saúde. Ou seja, o médico deve provar que não causou prejuízo ao paciente ou que o prejuízo existente é culpa do próprio paciente ou de outro profissional. Por isso, sua clínica deve prestar serviço com excelência e registrar todos os atendimentos. Dessa forma, você terá as provas necessárias caso algum paciente inicie um processo judicial.

Exercício ilegal da profissão

Confira com cuidado se todos os profissionais da clínica possuem as devidas certificações para exercício da Medicina. Não basta, é claro, o diploma da graduação. Se você contratou um especialista, tenha certeza de que a Residência Médica foi concluída e de que seu médico parceiro possui as habilidades necessárias para o exercício da especialidade. O exercício ilegal da profissão pode ser o erro mais fácil de você evitar em sua clínica, mas é, com certeza, uma das falhas mais graves. Portanto, mantenha a cautela!

Dica: já pensou sobre prevenção jurídica?

Prevenção é a palavra: tanto para Medicina quanto para o Direito. Previna-se de processos judiciais. Preste um bom atendimento e tenha todos os registros. Se você quer saber como manter a segurança jurídica da sua empresa, leia nosso artigo: “Processos contra médicos: a judicialização da saúde no Brasil”, clicando aqui.

Outros conteúdos importantes sobre o assunto (clique nos títulos):

4. Exclusividade do marketing de indicações

Marketing para médios

Por mais sutil que pareça, este erro pode ser fatal. Não fique apenas com o marketing boca a boca para promover a sua clínica. As indicações são importantes para conquistar a confiança de pessoas próximas a seus pacientes. No entanto, o boca a boca não é suficiente para consolidar a sua marca, tampouco, para atrair pacientes e pagar as contas.

Contar apenas com as indicações é uma armadilha. Afinal, você optará pela postura de espera. Corre sério risco de esperar com a recepção vazia. A regra é clara: não existe clínica médica sem atendimento médico! Portanto, venda seu peixe, dentro dos ditames éticos, claro.

Quando se fala em marketing, normalmente, se pensa em outdoors, em anúncios no jornal ou na televisão. Muitas vezes, essas campanhas não são eficientes e, para sua clínica, podem infringir diretrizes do Código de Ética. Portanto, que tal experimentar estratégias diferenciadas?

Dica: quem não é visto não é lembrado!

Sua clínica precisa estar onde seus pacientes estão. Ao definir um público-alvo, você saberá como encontrá-los. Esteja, por exemplo, nas redes sociais. Responda dúvidas. Crie conteúdo. Dê dicas de saúde. Construa um posicionamento de autoridade para sua imagem e para sua clínica.

Para obter outras dicas de posicionamento nas redes sociais, baixe nosso ebook: “Marketing para médicos: como transformar o Instagram e as redes sociais em ferramentas poderosas”, clicando aqui.

Conclusão

Pronto! Agora, você conhece as principais causas de fechamento de clínicas médicas. Então, estabeleça uma boa gestão médica financeira. Faça um planejamento estratégico com calma. Previna-se contra processos judiciais. E, finalmente, aposte no Marketing e mostre todo potencial do seu negócio.

Se você quiser ter acesso a ferramentas poderosas para o crescimento da sua clínica, como Assinatura Digital, Agendamento Online e um sistema de gestão para clínica que respeita todas as diretrizes da LGPD, clique abaixo.

 

Iniciar teste gratuito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.