Assine a newsletter
e receba nossos
conteúdos.

Assine a newsletter

Gestor para a clínica médica: qual perfil você deve contratar?

Tempo de leitura: 9 minutos

Um gestor para a clínica médica deve ter muitas habilidades e competências diferentes daquelas relacionadas à assistência ao paciente. Afinal, mesmo que o objetivo principal da clínica seja promover a saúde e o bem-estar, os meios para isso devem ser coordenados com excelência. 

As rotinas administrativas de um negócio na área da saúde envolve muitas atividades complexas, que devem seguir diretrizes científicas, legais e tributárias. Por isso, talvez seja necessário contratar um gestor para a clínica médica em que você trabalha.

Neste texto, trazemos as principais características deste profissional:

  • Integrar diferentes áreas de conhecimento;
  • Conhecimento técnico em administração;
  • Liderança e capacidade analítica;
  • Excelência em tomada de decisão.

Veja como você pode, ainda hoje, contratar o melhor gestor para a clínica médica.

Gestor para a clínica médica: integração de conhecimentos

O bem-estar dos pacientes é o resultado mais importante para as clínicas. No entanto, não é fácil mensurar, tampouco garantir, o bom resultado dos tratamentos. É por isso que a gestão da clínica deve focar nas etapas que compõem o atendimento e garantir excelência em cada uma delas. 

Uma visão abrangente da composição dos atendimentos também exige uma visão ampla em relação à administração interna do negócio. Dessa forma, é importante que o gestor para a clínica médica consiga integrar conhecimentos relacionados à assistência àqueles relacionados ao gerenciamento interno. 

Não basta, portanto, ter domínio da especialidade médica, nem mesmo um conhecimento geral sobre as diversas especialidades clínicas. É necessário que  o gestor para a clínica médica saiba associar o conhecimento técnico-científico com as outras áreas da empresa. 

Dessa forma, o gestor poderá dialogar com os diferentes profissionais que atuam dentro da empresa. Além disso, saberá tomar decisões com base nas informações obtidas a partir de cada área. Assim, a integração de conhecimentos também é uma competência associada à liderança e à gestão de pessoas. Afinal, ao integrar informações baseadas em diferentes áreas do conhecimento, o gestor poderá atuar como um facilitador do diálogo entre a equipe. 

Com isso, ele atingirá o objetivo da gestão de uma clínica que é a organização e o monitoramento das ações administrativas. A organização e o monitoramento viabilizam a escolha de estratégias mais eficientes.

Saiba mais em “Saiba quais os desafios do Médico Empreendedor”

Gestor para a clínica médica: capacidade técnica em administração

A gestão inclui o reconhecimento de todas as etapas administrativas: planejamento, organização, direção e controle. Assim, o gestor para a clínica médica deve ter habilidades para tomar decisões e controlar a execução das diferentes rotinas administrativas que compõem essas etapas. Além disso, é preciso compreender as rotinas administrativas como componentes de um todo sinérgico, em que as análises de controle influenciam o planejamento, e assim por diante. Esse ciclo administrativo é que leva a empresa a seus objetivos. 

Dessa forma, o gestor para a clínica médica precisa de visão estratégia para conciliar informações desde controle de estoque e fluxo financeiro até métricas de marketing e de satisfação dos clientes. Em suma, trata-se de uma visão mais ampla e multifatorial do que o atendimento ao paciente. O gestor precisa garantir os três tempos do atendimento – pré, durante, e pós – tanto em termos assistenciais quanto no que se refere às finanças e ao posicionamento de mercado. 

A capacidade técnica em administração exigida de um gestor para a clínica médica deve, inclusive, superar os limites físicos do negócio. O gestor não deve apenas ficar atento a tudo que está dentro da clínica, mas também às oportunidades e aos desafios externos. Assim, poderá fazer acordos estratégicos, planos de expansão, monitoramento de concorrência, etc.

Essa capacidade técnica deve ser, sobretudo, baseada em metas. A gestão de clínicas tecnológicas, em especial, requer estratégias precisas. Com tantos relatórios disponíveis, o gestor possui inúmeros dados que podem ser utilizados como diferentes perspectivas sobre o funcionamento da empresa. Assim, ao reunir a equipe administrativa e assistencial, é possível traçar as metas para o trimestre, para o semestre, para o ano e para os próximos anos. Todas elas devem ter métricas e métodos de execução.

Gestor para a clínica médica: liderança e capacidade analítica

Depois de criar as metas e traçar sua estratégia, a equipe administrativa sob a liderança do gestor, pode:

A partir daí, é preciso monitorar a execução do plano com os relatórios e replanejar periodicamente. Para isso, liderança e capacidade analítica são essenciais. O gestor precisa identificar as habilidades dos profissionais da equipe e estimular o compartilhamento de conhecimentos. Além disso, precisa integrar influências das diferentes áreas para guiar as estratégias. 

A liderança da equipe vai facilitar o manejo das especificidades de cada área. Também vai ajudar a empresa a promover uma cultura organizacional que visa à abordagem multiprofissional das questões administrativas da clínica. O gestor deve ser capaz, portanto, de escutar as diversas perspectivas e considerar todas as opiniões e ideias antes de criar as estratégias que serão aplicadas a toda a empresa. A diversidade de opiniões vai enriquecer o planejamento e, ao mesmo tempo, torná-lo mais exequível. 

 Lembre-se de que o objetivo geral da equipe é oferecer um melhor atendimento e, como consequência, aumentar a fidelização e o número de pacientes. Porém, é evidente que há muitas estratégias possíveis para isso, cujas ações exigem a participação de diferentes profissionais. 

Os médicos podem trazer o conhecimento prático, do contato direto com os pacientes e das melhorias necessárias para prestar serviços mais qualificados. Já a equipe administrativa pode trazer o conhecimento das melhores práticas de organização de recursos materiais, financeiros e de pessoas. Além disso, podem facilitar o contato da equipe interna da empresa com serviços especializados externos, como laboratórios, operadoras de planos de saúde, contabilidade e marketing. 

Gestor para a clínica médica: excelência em tomada de decisão

A união da equipe sob liderança do gestor ajuda a empresa a avançar em seus objetivos assistenciais e de excelência administrativa. Para isso, é claro, o gestor precisa estar preparado para o processo de tomada de decisão. 

Uma vez que o gestor para a clínica médica tenha a capacidade analítica e o perfil de liderança necessários, é preciso que saiba tomar decisões. Essa é a habilidade que exige maior experiência e a definitiva integração de conhecimentos. Afinal, trata-se de um processo de reconhecimento e análise de riscos e oportunidades e, também, de busca por equilíbrio. 

É preciso equilibrar os processos já estabelecidos na empresa com as inovações trazidas pelo mercado. É preciso equilibrar a autonomia decisória e o diálogo colaborativo. E, claro, é preciso incentivar o equilíbrio entre as opiniões dos membros da equipe. A seguir, vamos descrever as principais armadilhas que comprometem o processo de tomada de decisão, e como o gestor para clínica a médica pode evitá-las. 

Trabalhar sem metas de gestão

Já falamos sobre metas, mas é necessário destacar a sua importância. Afinal, se você não sabe qual resultado deseja alcançar, não importam os caminhos escolhidos. As metas impulsionam qualquer empresa. As principais metas estão relacionadas com:

  • Número de pacientes interessados na clínica;
  • Número de pacientes atendidos;
  • Lucratividade dos procedimentos realizados;
  • Crescimento dos canais de aquisição de pacientes (redes sociais, parcerias com planos de saúde, etc);
  • Consultas agendadas vs. consultas realizadas;
  • Satisfação dos pacientes.

Falta de controle financeiro

As dificuldades financeiras representam a principal causa para o fechamento de empresas no Brasil. As clínicas médicas também estão sujeitas à falência, porque possuem custos fixos e variáveis e precisam manter o fluxo de pacientes. A organização dos dados financeiros é a melhor prevenção. Tenha em mente que esse é um papel da gestão da empresa e que se difere da organização tributária. 

Os dados financeiros são aqueles que mostram todas as entradas e saídas de dinheiro, além dos eventuais investimentos feitos pela pessoa jurídica. Para fazer uma boa gestão financeira, é preciso trabalhar no planejamento das contas, no armazenamento de informações, nos relatórios e na análise de resultados. 

Para entender melhor, baixe nosso ebook “Gestão Financeira para Clínicas Médicas”

Sistema de gestão obsoleto 

Muitas empresas na área da saúde ainda utilizam sistemas de gestão ultrapassados. Não se trata, ainda, em muitos casos, de um software ultrapassado. Há inúmeras clínicas ou consultórios que ainda fazem a gestão em papel, com prontuários, prescrições, arquivo morto e muito tempo perdido. 

Outras clínicas já começaram a investir em tecnologia e, para isso, contrataram algum sistema que promete resolver muitos problemas, mas que, na prática, só soluciona uma necessidade básica. Então, essas clínicas precisam investir em vários sistemas, um para cada finalidade, sem qualquer tipo de integração. O resultado disso é a ineficiência organizacional. 

Um gestor para a clínica médica inovadora e tecnológica deve ter a ferramenta certa para atingir a excelência em tomada de decisão e em outros processos essenciais. Preencha o formulário abaixo e faça o teste grátis para começar o caminho até a eficiência administrativa e assistencial. 


Sobre o autor:

Autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.